#LeadYoung - Felipe Vergara: redefinindo o acesso à educação com uma inovação financeira multimilionária

Para muitos jovens ao redor do mundo, pagar por educação superior é sinônimo de endividar-se por décadas. Isso os força a deixar de lado carreiras como a de professor, porque os salários não seriam suficientes para pagar seus empréstimos estudantis. Para aqueles que não conseguem achar emprego ou que perdem seus empregos, parcelas fixas de empréstimos podem levá-los a se endividar ainda mais, tornando mais difícil quitar seus empréstimos.
 
O empreendedor social colombiano Felipe Vergara criou a Lumni para dar a estudantes novas opções de financiamento estudantil. Os pagamentos de seus empréstimos são ajustados de acordo com uma porcentagem fixa da sua renda futura por um determinado período de tempo.

Investidores do fundo Lumni recebem não apenas retorno financeiro, mas também social.

Estudantes com potencial, a maioria de baixa renda e tipicamente os primeiros a cursar universidade em sua família, têm a oportunidade de receber uma educação superior acessível. Mais de 8.000 estudantes de cinco países (Chile, Peru, México, Colômbia e Estados Unidos) já receberam US$35 milhões em financiamento até hoje.
 
A história de empreendedorismo de Felipe começou em Bogotá. Ainda menino, ele se incomodava com a poluição atmosférica e o desaparecimento de áreas florestais próximas às montanhas. Ele era um jovem ambientalista antes que o meio-ambiente se tornasse um assunto relevante para jovens na Colômbia.
 
Aos 16 anos de idade, Felipe começou um programa de reciclagem em sua vizinhança. Durante as noites, homens e mulheres frequentemente reviravam o lixo das casas em busca de metais e outros itens que pudessem vender. Felipe pensou que se ele conseguisse convencer a vizinhança a separar o lixo reciclável, haveria menos desperdício e facilitaria o trabalho dos catadores. “Eu me lembro de quando desenhei o plano num papel e comecei a conversar com as pessoas. Eu distribui sacos de plástico verdes para quem quisesse fazer parte, e as pessoas começaram a usá-los!”
 
Foi uma ideia simples e vê-la dar certo aumentou sua confiança. “Eu não estava pensando em mudar a cidade toda, apenas o jeito como meus vizinhos lidavam com o lixo”. Mas posteriormente, durante a universidade, ele levaria essa ideia mais longe. Com o conhecimento adquirido estudando engenharia industrial, ele iniciou um programa de reciclagem ainda maior, dessa vez para empresas.
 
Quando Felipe fundou Lumni em 2004 com Miguel Palacios (para o vídeo sobre Lumni, clique aqui), ele tinha a visão de remover os obstáculos impedindo jovens de cursar a universidade. Felipe usou o conhecimento adquirido iniciando novos projetos para transformar sua ideia numa inovação financeira multi-milionária.
 
Quando Felipe iniciou o programa de reciclagem aos 16 anos, a reação de sua família foi mista. “Meu pai achou que eu era louco e queria que eu usasse meu tempo com coisas melhores. Mas minha mãe adorou” lembra Felipe. Agora com dois filhos, ele quer dar a eles a oportunidade de criar e experimentar coisas novas. “Você não pode forçar jovens a tomar iniciativa. As ideias têm que ser deles, mas você pode ajudar a criar um ambiente em que falhar não é algo negativo, um ambiente em que eles se sintam inspirados a gerar mudanças ao seu redor.”